CAMP. CÂMARA - 2017

CAMP. CÂMARA - 2017

DIVINO FOGÃO DE ITABUNA

Adsense




Augusto Castro Cobra do Governo convocação de concursados da polícia civil


O deputado estadual Augusto Castro, líder do PSDB na Assembleia Legislativa, sugere a convocação de representantes do Governo da Bahia para dar explicações sobre a situação da segurança pública no Estado. Para o parlamentar, o alto índice de homicídios registrado no último fim de semana prolongado na capital e no interior demonstra que a criminalidade está vencendo a guerra contra o aparelho de segurança.


Segundo dados da própria Secretaria de Segurança Pública, houve 19 homicídios em apenas três dias em Salvador e Região Metropolitana. Em Itabuna, que se tornou uma das cidades mais violentas do Estado, o número de assassinatos em 2016 já chegou a 40, a maioria com características de execução e indícios de relação com o tráfico de drogas.
Para o deputado, enquanto o crime avança, o governo recua em vez de fortalecer as ações de segurança pública. “Na região de Itabuna, dos 21 municípios que compõem a 6ª Coorpin, oito não têm delegado titular, e na Bahia são mais de 150 cidades na mesma situação”, observa Augusto Castro.
O deputado recebeu hoje (28) um grupo de aprovados no concurso público realizado pelo governo em 2013, visando à convocação de aproximadamente 800 novos policiais civis, entre delegados, escrivães e investigadores. Passados três anos e já com o curso de formação concluído, nenhum policial foi convocado.
“O governador prometeu nomear todos os novos policiais logo após o Carnaval e agora alega que não pode chamar ninguém por causa do limite prudencial. Isso é falta de planejamento e de prioridade”, critica Augusto Castro. Ele sugere a convocação do secretário de Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, e dos titulares da Administração e da Fazenda, respectivamente Edelvino Góes e Manoel Vitório, para dar esclarecimentos sobre a situação.

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito