EXPOITA

EXPOITA

Frigobom da Av, Ilhéus

Frigobom  da Av, Ilhéus

EXPOITA 2017

EXPOITA 2017

Adsense

DIVINO FOGÃO ITABUNA

DIVINO FOGÃO ITABUNA



Mulheres comandam sete bases comunitárias de segurança na Bahia


Entre todas as atividades diárias de uma dona de casa e de mãe com um filho pequeno, Camila Soledade tem espaço para mais uma ocupação. Ela é capitã da Polícia Militar e comanda a Base Comunitária de Segurança (BCS) do bairro do Rio Sena, em Salvador. Na Bahia, outras seis mulheres estão à frente dessas unidades e, como Camila, conseguem conciliar a rotina cheia com um trabalho que exige muita responsabilidade e amor pelo que faz. 


Camila administra as tarefas da casa onde mora com a filha, Joana, de apenas um ano e dez meses, e também recebe a ajuda de outra mulher: a mãe. A aposentada Maria Eutália Soledade se orgulha da carreira de Camila e, ao mesmo tempo, se preocupa com a filha. 


“Ela me dá muito orgulho. Eu vejo o quanto ela se envolve e se preocupa com as pessoas. O cuidado que ela tem com o que faz para a comunidade é bonito de se ver. Eu, enquanto mãe, não deixo de me preocupar, mas respeito muito a profissão dela e admiro também”, afirma a aposentada. 

Para dar conta de tudo, a capitã acredita que não há fórmula mágica e que para todas as mulheres em posição de comando, como a dela, cada desafio é uma forma de aprendizado. “É uma correria, eu tenho vários outros filhos na unidade, na comunidade. Tem que com jogo de cintura, sabedoria, resiliência e paciência, administrando tudo. Aos pouquinhos vai dando certo”. 

Para Camila, o trabalho na base comunitária “é uma experiência gratificante. Aprendo muito a cada dia com todas as pessoas à minha volta e os resultados estão aí como uma forma de resposta para a gente, enquanto polícia. Se não fosse essa correria, não estaria completa”. 

Segundo o aspirante a oficial da PM e subcomandante da BCS de Rio Sena, Felipe Gomes, trabalhar com a capitã Camila tem sido um grande aprendizado. “Sobretudo por causa da postura e da forma como ela lida com o projetos que nós temos aqui e com a própria tropa. No trato com as crianças, ela tem uma sensibilidade, veio de uma comunidade carente e tem essa relação com a população”, contou o subcomandante.

Diferença de gênero 

Além do Rio Sena, são comandadas por mulheres as bases da Santa Cruz, Chapada, Fazenda Coutos, Uruguai, Itabuna e Vitória de Conquista. No total, a Bahia possui 17 BCSs. Na avaliação da capitã Sheila Barbosa, comandante da unidade da Santa Cruz, a diferença entre os gêneros é menos acentuada na sociedade atual. 

“Hoje a gente sabe que não existe mais a divisão ou função específica para as mulheres. Nós já estamos em todos os postos de trabalho que um dia foram destinados apenas para homens, como as policiais militares, as engenheiras e muitas outras mulheres que já romperam essa barreira”, diz. 

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito