Frigobom da Av, Ilhéus

Frigobom  da Av, Ilhéus

GACC

GACC

Adsense

DIVINO FOGÃO ITABUNA

DIVINO FOGÃO ITABUNA



Deputado Davidson Magalhães propõe decreto para impedir venda de ativos da Petrobrás

Desde que Michel Temer assumiu o governo, a Petrobrás iniciou a venda de seus ativos mais importantes, como a BR Distribuidora, que tem R$ 98 bilhões de faturamento anual. Outro exemplo é a refinaria Landulpho Alves, cuja venda foi denunciada pelo Sindicato dos Petroleiros da Bahia. 


Para estancar esse sangramento do setor produtivo de petróleo e gás, o deputado federal Davidson Magalhães propôs, nesta terça-feira (23), o decreto legislativo 674/17, que susta a venda de ativos e subsidiárias da Petrobrás.
“Estão fazendo uma verdadeira liquidação dos ativos da Petrobrás. Estão quebrando a empresa”, denunciou Davidson ao defender sua proposta de decreto. “A BR Distribuidora, por exemplo, é a segunda maior empresa de distribuição de combustíveis no Brasil, além de ser líder na distribuição de derivados”, completa.
A venda da BR significa que a Petrobrás deixa de distribuir combustível e derivados de petróleo, quebrando uma de suas pernas na cadeia produtiva e reduzindo seu faturamento e poder no mercado. “É um retrocesso. Todas as grandes petroleiras comerciais no mundo vão do poço ao posto, porque é aí que está a lucratividade do setor. Querem voltar ao Brasil de 40 anos atrás, quando só se produzia matéria prima e só se exportava produtos primários. Isso é neocolonialismo”, avalia Davidson.
Processo ilegal
Além de discordar estrategicamente da venda dos ativos, Davidson também alerta que o modo como as vendas estão sendo feitas é ilegal. “Estão utilizando um decreto de 1998 para fazer um procedimento licitatório simplificado. Mas segundo a lei 9.478, de 1997, esse procedimento é apenas para aquisição de bens e serviços, não pode ser usado para alienação”, explica o deputado. “Isso é inconstitucional, ilegal e imoral. A alienação tem que ser por licitação, de maneira transparente, para que o povo brasileiro possa acompanhar”, defende.

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito