CAMP. CÂMARA - 2017

CAMP. CÂMARA - 2017

DIVINO FOGÃO DE ITABUNA

Adsense




Estudantes aderem à Mobilização Nacional contra o Aedes


Enquanto a presidente Dilma Rousseff e o governador Rui Costa participavam da Mobilização Nacional da Educação contra o Aedes aegypti, nesta sexta-feira (19), no município de Juazeiro, na região norte do estado, em Salvador, a ação contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya foi marcada pela união de esforços entre a comunidade escolar, Forças Armadas e gestores das áreas da Saúde e Educação. 



Como parte da mobilização, os secretários estaduais Osvaldo Barreto (Educação) e Fábio Vilas-Boas (Saúde), acompanhados de representantes do Ministério da Educação, entre eles, o secretário Nacional de Articulação com os Sistemas de Ensino do Ministério da Educação (MEC), Binho Marques, além de membros das Forças Armadas, participaram de atividades no Colégio Estadual Helena Matheus, no bairro de São Cristóvão. Na ocasião, os alunos apresentaram um rap composto especialmente para a ocasião, alertando para o risco das doenças causadas pelo mosquito.

Cerca de 1,4 mil alunos dos ensinos fundamental e médio estão matriculados na unidade de ensino. O representante do MEC observou que “a Bahia é o terceiro estado com maior incidência de microcefalia. É uma situação grave. Esta ação depende fundamentalmente do apoio da população. Estamos fazendo estudos científicos para que possamos avançar com possibilidades de vacinas”.

Aproximadamente 835 mil estudantes estão matriculados na rede estadual de ensino. Para o secretário Osvaldo Barreto, o envolvimento de alunos e profissionais na educação é um importante reforço no combate ao mosquito. “Estes alunos podem formar uma grande mobilização junto as suas famílias, vizinhos e amigos. É uma forma efetiva de controle se os estudantes se conscientizarem do poder que eles têm de influenciar positivamente suas famílias”. 

Na Bahia, todas as ações de combate ao mosquito são supervisionadas e coordenadas pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). O titular da pasta, Fábio Vilas-Boas, ressaltou que, no final do mês de outubro, o Governo do Estado criou o Centro de Operações de Emergência de Saúde. “Nosso objetivo é dar transversalidade e centralizar as ações que envolvem diversas secretarias e órgãos do governo e da sociedade civil que estão envolvidos no combate ao mosquito”.

Segundo o secretário, foram programadas “estratégias que vão mobilizar o ensino fundamental I e II e a sociedade civil, através de organizações militares para dar capilaridade ao processo de combate ao mosquito, além de dar apoio a pacientes que foram infectados, sejam eles com zika, chikungunya ou dengue”. Durante o evento houve distribuição de material informativo da campanha Zika Zero. Além do Exército, a Aeronáutica também esteve no colégio com Banda da Base Aérea de Salvador. 

Alerta do Resturante Popular 


Na opinião da professora Cláudia Ramos, a escola tem o dever de formar cidadãos que atendam às demandas sociais. “Se hoje, a sociedade está precisando de cidadãos que mantenham seus quintais limpos, fechem a sua caixa d’água e tenham cuidado com esse mosquito que é tão pequeno, mas está ameaçando a raça humana, a escola tem que participar ativamente. Nós, professores, estamos aqui para formar os cidadãos”. Aluno do 6º ano, Gustavo Henrique Oliveira, 13 anos, aprendeu a lição. “As grávidas devem usar roupas compridas. As pessoas devem olhar todos os dias se o tanque [com água] está limpo e não deixar lixo acumulado”.

No Restaurante Popular, administrado pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do estado (SJDHDS), no bairro do Comércio, os cerca de 2.600 beneficiários que almoçam diariamente no local também foram mobilizados contra o mosquito, entre eles, a zeladora de igreja, Celina Andrade que, depois de ter contraído zika, redobrou os cuidados. “É importante a gente ter cuidados para a nossa saúde, o nosso bem-estar. O governo está fazendo a parte dele, nós também temos que fazer a nossa parte. As garrafas a gente tem que furar [ou virá-las para baixo] e o tanque [caixa d’água], a gente tem que tampar”.

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito