Adsense

DIVINO FOGÃO ITABUNA

DIVINO FOGÃO ITABUNA



Davidson Magalhães defende internet ilimitada e propõe debate

no Congresso

O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB-Ba) já conseguiu o apoio de todas as lideranças do Congresso Nacional para convocar uma Comissão Geral e debater o serviço de banda larga fixa no Brasil com a Anatel e setores de defesa do consumidor. O pedido será encaminhado à mesa da Câmara: “É preciso que nos mobilizemos para discutir e adotar medidas legais com urgência e evitar que as operadoras limitem o serviço e a liberdade de acesso à informação, como estão ameaçando”.



Ocorre que as operadoras do serviço de internet de banda larga fixa querem restringir a velocidade, suspender serviços ou cobrar excedente, caso seja ultrapassado os limites da franquia de uso deste serviço aos consumidores. Esta intenção foi anunciada no início deste mês, e sofreu fortes reações por parte de usuários, especialistas e autoridades.
Para o deputado, “esta iniciativa é um desrespeito ao consumidor brasileiro, os contratos não podem ser objeto de alterações que venham de uma só parte, no caso, as operadoras. Não se pode mudar a regra do jogo no meio do campeonato”. Em seu discurso na Câmara afirmou que “a internet no Brasil é uma das mais lentas e caras do mundo e impor limites implica em cercear o acesso à informação e vai na contramão ao que está sendo feito no Brasil, na tentativa de universalização do acesso à internet.
 A internet significa acesso à informação, vital para o dia a dia das pessoas”. Davidson Magalhães propõe debate com a Anatel e as entidades de defesa do consumidor, “para que possamos criar uma legislação que proíba que isso aconteça”.
Considera que a estrutura de banda larga fixa brasileira “não suporta a demanda dos usuários devido à falta de investimentos de suporte das operadoras e o consumidor não pode ser o único e maior prejudicado”.
Diz ainda que a Anatel se manifestou a favor das operadoras na semana passada, voltou atrás, e proibiu as mudanças por 90 dias: “Isto não é suficiente para frear a ânsia das operadoras por mais lucro e prejudica sobretudo as camadas mais vulneráveis, as pessoas de regiões mais carentes, os estudantes, que usam a rede para o ensino à distância – ou para a educação em geral – e os pequenos empresários e trabalhadores”.

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito