i

i

CMVI

PRF

PRF

cm

cm

Adsense




Barro Preto- Ana Paula Simões, finda mandato e deixa parte dos professores sem receber salário


As comemorações de final de ano não foram tão alegres para parte dos servidores da Prefeitura de Barro Preto no interior da Bahia. O motivo da insatisfação se deve à falta de pagamento de salário por parte da Prefeita Ana Paula Simões (MDB), que terminou o seu mandato e não honrou com o pagamento de diversos servidores, em especial, dos profissionais da educação. De acordo com o Sindicato do Magistério Municipal Público de Barro Preto (SIMPUBAP-BA), a mesma situação ocorreu em 2012, quando seu esposo Adriano Clementino havia concluído seu mandato.

(Saiba Tudo, Click Abaixo)



Conforme a Direção do SIMPUBAP, a falta de pagamento dos servidores da educação não se justifica, uma vez que de acordo com os demonstrativos de repasses de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), no mês de dezembro de 2020 o município recebeu do Governo Federal R$ 801.756,37 só para educação. “Não é justo que os servidores públicos sejam penalizados pelas ingerências administrativas dos seus gestores. A prefeita que era conhecida como a ‘mãe do povo’ termina seu mandato deixando dezenas de pais e mães de família sem salário”, afirma Edlara Libarino, dirigente sindical.

Ainda de acordo com a Diretoria do Sindicato, o atual Prefeito Eleito, Juraci Dias (PP) informou que ficou um saldo de R$ 396,00 na conta vinculada à educação, valores estes insuficientes para quitar o débito do município com os diversos professores que ficaram sem receber o salário de dezembro. 

Não há ainda um posicionamento concreto de quando o pagamento será efetuado, mas a direção sindical já estuda a possibilidade de recorrer ao Ministério Público e ao Poder Judiciário para assegurar o recebimento do salário. “É revoltante termos que pedir na justiça um direito que é nosso, cuja verba vem carimbada do Governo Federal para nos pagar. Entretanto, caso não consigamos uma solução administrativa, a via judicial será a única medida que nos resta”, finaliza a representante sindical Ana Marques.



0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito