i

i

chp

chp

Câm.

Câm.

itac. mul

itac. mul

Itac

Itac

Ag. Pmi

Ag. Pmi

RC

RC

Jaç.

Jaç.

Chapa

Chapa

PRF

PRF

Adsense




A princesinha do tráfico


O título desse texto, além de descambar para o mau gosto, é um aparente despropósito, porque subverte a lógica de que princesinhas, ao menos as dos contos de fadas que embalaram gerações de crianças e adolescentes, são mocinhas do bem, que nas estórias edulcolaradas sempre encontram um príncipe encantado para o beijo romântico e o final feliz para sempre.

O problema é que nestes tempos em que fadas dão lugar às bruxarias reais, princesinhas, ou melhor, adolescentes ainda na fase dos sonhos e das descobertas, trombam com a dura realidade.

Entre os tantos casos verificados em Itabuna ao longo do mês, retrato de uma realidade nacional, chamou a atenção de uma menina de 15 anos, detida pela polícia no bairro Santo Antônio, na periferia da cidade.

Em poder da adolescente, a polícia apreendeu quatro quilos e meio de pasta base de cocaína, um quilo de crack, duas pistolas, três revólveres. A droga renderia ao seu dono, que evidentemente não é a menina, cerca de 100 mil reais.

O que a menina provavelmente estava fazendo é o que centenas, talvez milhares de criancinhas e adolescentes, acabam fazendo: serem usadas como escudo pelo tráfico de drogas e de armas?

Afinal, que vai desconfiar que uma garota de 15 anos esconda em casa uma quantia considerável de drogas e um pequeno arsenal?

Pois, a polícia descobriu que escondia, como as estatísticas descobrem e revelam que cada vez mais nossos adolescentes não apenas estão mergulhando no uso de drogas, como também habitando o pântano do tráfico, que muitas vezes é um caminho sem volta.

A violência, em todos os seus níveis e a droga em especial, acabam roubando a infância de meninos e meninas que deveriam estar sonhando com o futuro, recebendo carinho, atenção e uma educação de qualidade, mas que, muitas vezes por absoluta falta de opções, orientação e estruturação familiar, acabam levadas precocemente para a criminalidade.

Nessa história, não há beijo que transforme sapo em príncipe.

Há sim, monstros sempre à espreita para devorá-las, protegidos pelo fantasma da omissão de quem deveria zelar e não zela por essas crianças e adolescentes.

*Daniel Thame é jornalista

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito