i

i

chp

chp

Câm.

Câm.

itac. mul

itac. mul

Itac

Itac

Ag. Pmi

Ag. Pmi

RC

RC

Jaç.

Jaç.

Chapa

Chapa

PRF

PRF

Adsense




Além do Covid19, Outro Perigo Surge na Bahia. A doença de Haff


Após o Governo do Estado da Bahia, através do Centro de Informação Estratégica em Vigilância em Saúde da Bahia (CIEVS), emitir alerta sobre o registro de casos da Doença de Haff no estado, a Prefeitura Municipal de Itabuna, através da Secretaria Municipal de Saúde, também se mobiliza para a possível identificação de pacientes com sintomas da doença, que se caracteriza por ocorrência súbita de extrema dor e rigidez muscular, dor torácica, falta de ar, dormência e perda de força em todo o corpo, além da urina cor de café.

(Saiba de Onde Surgiu a Doença, Click Abaixo)



A doença de Haff é uma síndrome de rabdomiólise (ruptura de células musculares) sem explicação, que é associada à elevação da enzima CPK, associada a ingestão de pescados, em especial o peixe “olho de boi”. A doença pode evoluir rapidamente com insuficiência renal e, se não adequadamente tratada, levar ao óbito. Os municípios de Entre Rios, Camaçari e Salvador já confirmaram pacientes com a doença. Até o momento, nove pacientes apresentaram os sintomas no Estado. Diante deste sinal, o CIEVS emitiu alerta através de uma Nota Técnica.

A Secretaria confirmou que houve relatos de ingestão de pescado. Nos primeiros três casos, os pacientes consumiram um peixe conhecido como olho-de-boi e, aproximadamente sete horas depois, começaram a apresentar sintomas de fortes dores no corpo, tontura, náuseas e fraqueza. Relacionadas Inseguro na hora de comprar peixe? Dicas para não colocar saúde em risco Urina verde, rosa ou com espuma? Saiba o que o xixi indica sobre sua saúde Dor ou ardência ao urinar? Veja 12 doenças que causam tal incômodo Mesmo que ainda não se saiba a origem exata da doença de Haff, pesquisadores notaram que todas as pessoas diagnosticadas consumiram algum animal que vive na água, muitas vezes doce

            Entre as orientações que estão sendo dadas à população, buscar atendimento médico aos identificar os primeiros sintomas. Já aos profissionais de saúde, observar a cor da urina (escura) como sinal de alerta e o desenvolvimento de rabdomiolise, sendo necessário ser rapidamente hidratado num prazo de 48 a 72 horas. Evitar o uso de antinflamatórios, e na ocorrência de casos suspeitos, fazer o exame para dosagem de creatinofosfoquinase (CPK), TGO, monitorização da função renal e notificar de forma imediata a CIEVS/Bahia, mesmo na impossibilidade de realizar o exame CPK.

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito