i

i

chp

chp

Câm.

Câm.

itac. mul

itac. mul

Itac

Itac

Ag. Pmi

Ag. Pmi

RC

RC

Jaç.

Jaç.

Chapa

Chapa

PRF

PRF

Adsense




Evento online debateu formas de combate ao trabalho escravo no Sul da Bahia

Promovido pelo Instituto Sorria, o evento virtual desta sexta-feira (08), discutiu conhecimentos sobre ferramentas de informação e combate à escravidão moderna no país. Os palestrantes foram a psicóloga Eliane Oliveira e o advogado Jorge Latrilha e contou com a participação de servidores públicos, profissionais liberais e representantes sindicais. A psicóloga, Eliane Oliveira, afirmou que as condições do trabalho escravo ocorrem junto às tentativas de silenciamento e invisibilidade. “Com a saúde mental e emocional seriamente comprometida, por conta do trabalho exaustivo, perdem a identidade, dificultando o resgate.”

(Saiba Tudo, Click Abaixo)



Para o advogado Jorge Latrilha, embora a Constituição Brasileira proíba o trabalho escravo em todas as suas formas, ela é comum em muitos pontos da Bahia. “Essa realidade, de condição degradante do trabalho, se traduz em crime contra os Direitos Humanos, além de ser uma ofensa à democracia, revela uma raiz de natureza econômica, com reflexos sociais e políticos.” disse.

O presidente do Instituto, Jacson Cardoso Chagas, agradeceu a presença de todos e lembrou que mesmo durante a pandemia, o Observatório continuou realizando suas atividades e apurando denúncias.

“Essa palestra pôde acontecer num ambiente virtual, assim como também o digital nos auxilia no desenvolvimento do nosso trabalho, por meio do site, aplicativo de denúncias e WhatsApp. Temos sido parceiros de várias atividades, como no Projeto Vida Saudável, realizado no Clube dos Comerciários, além de realizar doações às entidades da cidade, como na parceria com o amigo solidário Wenceslau. Tudo isso é muito positivo.” disse.

A palestra é parte das atividades do Observatório Social, projeto do Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), realizado pelo Fundo de Promoção do Trabalho Decente (Funtrad), em parceria com o Instituto Sorria, que identifica denúncias de trabalho escravo no sul da Bahia.

Uma das tarefas do Observatório é o atendimento às vítimas resgatadas, assegurando apoio especializado, garantindo seu encaminhamento às políticas públicas pertinentes.

Caso você desconfie de uma situação de trabalho escravo, pode denunciar anonimamente, pelo aplicativo, site www.institutosorria.org.br e WhatsApp (73 99856-8442).

0 comentários:

Postar um comentário

Não será publicado comentário ofensivo ou com palavras de baixo calão,nem será aceito qualquer tipo de preconceito